Vamos falar de fibrose cística

Você sabe reconhecer a Fibrose Cística? Um nome popular para ela é doença do beijo salgado.

Trata-se de uma doença genética, ou seja, passa da mãe e/ou do pai para o filho. Das doenças graves desse tipo, é a mais comum na infância, e atinge cerca de 70 mil pessoas no mundo todo. Vamos ver informações importantes sobre esse mal, pouco conhecido em nosso país.

O que acontece?

A fibrose cística atinge os sistemas digestivo e respiratório e as glândulas do suor.

Fica mais difícil respirar, devido ao aumento da espessura do muco. Daí vêm problemas como falta de fôlego, tosse crônica, pneumonia e bronquite.

Também na digestão, aparecem sintomas causados pelo muco. A pessoa não ganha peso e não absorve bem os nutrientes, por mais que se alimente bem. Isso acontece porque o muco impede que enzimas digestivas cheguem ao intestino.

O suor e a pele ficam mais salgados, por causa da retenção de água e sódio. Por isso, conhece-se a fibrose como doença do beijo salgado.

Por fim, outro sinal importante é a dificuldade de se ter filhos. As mulheres não conseguem engravidar, e 98% dos homens são estéreis.

Como é o tratamento?

O tratamento exige acompanhamento de vários médicos e profissionais de diferentes áreas. Inclui:

  • suporte nutricional, para garantir a boa alimentação do paciente. A dieta indicada é rica em calorias e sem restrição de gorduras;
  • suplementação de enzimas digestivas e vitaminas solúveis em gordura;
  • remédios antibióticos e anti-inflamatórios;
  • inalações com soro fisiológico e substâncias para o muco e os brônquios;
  • atividades físicas e fisioterapia para a respiração.

Como descobrir?

A fibrose cística é uma das doenças que o teste do pezinho ajuda a detectar. É possível também descobri-la por meio do teste do suor e do teste genético, este último apenas nas formas mais comuns da doença.

Na Santa Casa de Curitiba, contamos com especialidades que podem ajudá-lo, como pneumologia e gastroenterologia. Conte com a gente!

Fontes de referência: Unidos pela Vida, Drauzio Varella, ABRAM

Compartilhe:

Você também pode gostar destes

Skip to content