Intoxicação alimentar e virose: não confunda

Você conhece a virose intestinal? E a intoxicação alimentar, sabe o que é? E sabia que elas têm sintomas parecidos?

Nessas duas doenças, há dor de estômago, vômito, diarreia e um mal-estar que pode demorar a passar. Mas, então, o que elas têm de diferente?

A origem

A primeira diferença está na origem de cada uma. A virose vem de um vírus, como o nome já diz, e se pega por meio do contato com uma pessoa doente.

Já a intoxicação se adquire por alimentos mal conservados e assim contaminados por bactérias ou fungos. Ela geralmente aparece mais rápido e dura menos, mas pode se tornar algo mais grave. Isso varia de pessoa para pessoa.

Semelhanças e diferenças

Esses dois males têm muitos sintomas em comum: enjoo, vômito, diarreia, febre, calafrios e dor de barriga e músculos. Mas há algumas diferenças e é bem possível percebê-las.

Uma delas está na febre, que aparece só em alguns casos. Na virose, ela é mais baixa; na intoxicação, é mais alta e pode durar alguns dias.

Quanto a outros sintomas, a virose pode trazer tosse e dor de garganta. Já a intoxicação, em casos mais graves, pode até paralisar os músculos da respiração.

Como tratar?

Ficar desidratado é complicação comum às duas doenças. Por isso, se aparecer algum sinal, a primeira dica é beber bastante água.

Se forem sintomas leves, é bem possível que você possa tratá-los sem sair de casa. E, nesse caso, tanto faz se há virose ou intoxicação, pois as duas vão embora sozinhas em poucos dias. Fique em repouso e se hidrate bem. Você pode tomar água mineral, água de coco, isotônicos como o Gatorade e também o soro caseiro (água com sal e açúcar).

Em caso grave de intoxicação alimentar, pode ser necessário tomar um antibiótico. Para crianças, idosos, grávidas e pessoas que já estejam com outra doença, a atenção deve ser especial.

E, se aparecer um grande desconforto, é uma boa hora para consultar um médico. Ele ajudará a tratar o que está incomodando, além de tirar suas dúvidas sobre o que você sente. Alguns sintomas a se considerar são: diarreia que dura mais de 3 dias, febre muito alta (mais de 38,8° em adultos e mais de 38,3° em crianças), muita fraqueza e muita sede.

Você pode consultar o clínico geral, o médico da família ou o gastroenterologista. Pode também procurar nosso Pronto Atendimento Dr.ª Wanessa Portugal. É bem possível que não seja necessário ficar internado.

Prevenir é possível

Não é difícil se cuidar para que essas doenças não apareçam. No caso da intoxicação, a dica é fugir de alimentos contaminados. Mantenha sua comida limpa e bem conservada. Prepare-a bem. Evite carnes e ovos mal cozidos. Cozinhe-os bem. Fuja de bebidas não pasteurizadas. Não deixe carnes cruas junto com outros alimentos.

Já para a virose intestinal, uma forma de prevenção é a vacina contra o rotavírus, aplicada no primeiro ano de vida. Caso seu intestino esteja infectado por algum vírus, fique isolado. Lave bem as mãos, em especial depois de usar o banheiro.

Vale ainda ficar atento às condições climáticas. Em dias mais frios, tendemos a ficar em lugares fechados, e isso facilita que os vírus se espalhem.

Já nos mais quentes, o calor e a umidade podem tornar difícil a conservação dos alimentos e favorecer que surjam micróbios. Daí, a intoxicação alimentar fica mais comum na primavera e no verão.

Cuide-se, é simples!

Fontes de referência: Mina, Hospital Proncor, Estácio

Compartilhe:

Você também pode gostar destes

Skip to content